Desapeguem-se.

Graças a Deus, recebo muitas mensagens de mulheres que também vão passar pelo que eu passei. Mulheres que tiveram a sorte na vida de ter uma amiga como a que eu tenho. E dou graças a Deus, porque entendo que cada vez mais, mais gente tem percebido que essa é uma possibilidade da vida real, não apenas de novela. Dá pra ser feliz mesmo, pessoal!

Pois bem, entre zilhões de questionamentos, um em especial sempre aparece: Você não teve medo da sua amiga se apegar às crianças? – E eu sempre respondo que não, da mesma maneira. Se não fosse pra ela se apegar, eu poderia ter feito isso na Índia, nos EUA, na Conchichina.

Tudo o que eu queria era alguém para dar ao meus filhos o que eu não podia dar naquele momento. Alguém que cuidasse deles, que cantasse pra eles, que conversasse, que os alimentasse bem…e isso só se faz com amor, gente. O que eu queria era justamente alguém que se apegasse. Que os amasse, que os desejasse felizes e saudáveis quando viessem para o meu colinho. E isso eu tive. E tenho ainda. Uma amiga, e Dinda da minha Pi, carinhosa, presente mesmo longe, querida e amada por toda a minha família. Nunca vi solidariedade sem amor.

A essas mulheres corajosas, que estão se preparando para acompanhar seus filhos crescerem em outro ninho, aconselho que desapeguem-se dos padrões. Desapeguem-se. Porque o que vem por aí é muito novo e muito lindo. E o melhor de tudo: é possível! É real!

18Tintin&Pinafolia_2016

Advertisements